Início Em Foco Se liga Interatividade correio@escola

Especial

Especial

Tamanho do Texto Autentar Texto Diminuir Texto Restaurar Texto



Será que a Páscoa é comemorada da mesma forma em todos os países? Não. Embora existam elementos em comuns, as tradições agregam características de cada cultura e região. Há lugares em que os ovos de galinha decorados são o que há de mais tradicional. Em outros, os doces e pães que têm lugar de destaque garantido na mesa. Dos pratos típicos aos rituais, confira como são as celebrações da Semana Santa ao redor do mundo. Boa viagem!


Argentina

Como culto católico, a Páscoa é a data mais forte e representativa para nossos “hermanos”. Na Argentina são celebradas missas nos quatro dias da Semana Santa e realizadas atividades religiosas como a encenação da Paixão de Cristo. “Na cidade em que fui criado, Tandil, são feitas peregrinações ao Monte Calvário, um lugar muito bonito em que são representadas a crucificação e a ressurreição de Cristo”, conta o argentino Daniel Gamallo.

Assim como no Brasil, os argentinos não comem carne de vaca ou porco na Sexta-Feira Santa. Mas, para eles, a restrição começa antes, na Quinta-Feira. “É bem parecido, embora no Brasil o apelo comercial da ocasião seja maior. Principalmente em relação aos ovos de chocolate”, comenta Cristina Moniz, brasileira que vive em Buenos Aires. Para os portenhos, os votos de felicidade devem ser no plural. Como eles dizem: “Felices Pascuas”.


Bélgica e França

Na Bélgica e na França os sinos das igrejas não tocam entre a Sexta-Feira da Paixão e o Domingo de Páscoa. Segundo a lenda, os sinos voam para Roma e, no caminho de volta, deixam cair os ovos que as crianças devem encontrar no Domingo. As crianças belgas fazem, inclusive, ninhos de palha para estes ovos.


Bulgária

Uma das tradições na Bulgária são os ovos cozidos após a missa da Quinta-Feira Santa. Outra são os pães pascais chamados Kozunak, que têm sabor semelhante ao do panetone. Pequenos ou grandes, eles são decorados com ovos vermelhos (sempre em números ímpares) e levados à igreja na madrugada de sábado. Assim como os ovos, são abençoados e dados a familiares e amigos. Após o almoço de Páscoa, cada pessoa da família pega um ovo e todos começam a batê-los uns com os outros. Acredita-se que quem ficar com o ovo inteiro terá um ano de sorte.


Espanha

Na Espanha a celebração de Páscoa é essencialmente religiosa. Não há, como aqui, o hábito de trocar ovos de chocolate, mas alguns hábitos são semelhantes, como a ausência de carne – come-se peixe e, principalmente, bacalhau – no cardápio da Semana Santa. Há ainda doces típicos da data, como a rabanada (consumida em todo o país) e o Osso de Santo (que faz parte das celebrações de algumas regiões).

“Além destes pratos, o mais típico são as procissões. É uma festa religiosa quase tão importante quanto o Carnaval para o Rio de Janeiro. As pessoas se fantasiam de Romano, de Jesus e de Apóstolos e carregam pelas ruas a cruz de Jesus”, conta o espanhol Gonzalo Delgado.


Estados Unidos

A atividade mais comum nos Estados Unidos é a caça ao ovo de Páscoa. Os ovos cozidos, decorados com tintas e os ovos de chocolate são escondidos e as crianças devem encontrá-los. Em comunidades menores, as crianças da cidade se reúnem em praças para encontrar os ovos, escondidos por todo lugar. “É parecido com o que é feito no Brasil, mas aqui os ovos de chocolate são em menor quantidade e também são distribuídas muitas balas”, comenta a brasileira Maíra Levier, que vive na cidade de Salt Lake City.


México

Segundo o mexicano Vicente Quezada, as comemorações de Páscoa são simples no México. “Só os mais católicos e os que vivem no interior seguem as tradições”, diz. Mas há, no país, um fenômeno muito forte: a encenação da Paixão de Cristo, especialmente a apresentação que acontece em Iztapala, cidade ao sul da Cidade do México. “É o símbolo das comemorações de Páscoa no México”, afirma Vicente.

A representação da Paixão de Cristo em Iztapala é realizada desde 1843. Após uma epidemia de cólera que praticamente dizimou a população local, os sobreviventes imploraram ajuda ao Santo Sepulcro e, após dez anos sem nenhum registro da doença, realizaram a primeira representação como forma de agradecimento. Desde então, todo ano a cidade se converte em uma antiga Jerusalém, atraindo cerca de 3 milhões de mexicanos.


Portugal

Como em toda boa festa portuguesa, na Páscoa não falta bacalhau. Mas este não é o único prato que faz parte das comemorações da Semana Santa por lá. Além das amêndoas e do chocolate, há também o Folar que, embora não se saiba exatamente quando surgiu, é uma tradição muito antiga.

Segundo uma lenda portuguesa, o sonho de uma jovem aldeã chamada Mariana era se casar. Após pedir à Santa Catarina, surgiram dois pretendentes: um lavrador pobre e um fidalgo rico.

No Dia de Ramos, os dois envolveram-se em uma luta e o lavrador foi escolhido por Mariana. Mas a jovem ficou com medo de que o fidalgo matasse o noivo no dia do casamento e recorreu novamente à Santa, que lhe sorriu. Agradecida, a jovem lhe ofereceu flores. Quando chegou em casa, Mariana encontrou um bolo com ovos inteiros ao lado das flores que havia oferecido à Santa Catarina. Como o mesmo aconteceu com os dois pretendentes, o bolo tornou-se símbolo da celebração da reconciliação e da amizade. Por esta razão, no Domingo de Ramos os portugueses oferecem a seus padrinhos um ramo de flores e recebem, em troca, o Folar.


Suécia

As tradições pascais da Suécia lembram o Halloween norte-americano. Na Quinta-Feira Santa ou na véspera da Páscoa, as crianças vestem-se como bruxos e distribuem entre os vizinhos um cartão decorado conhecido como "Carta de Páscoa". O objetivo é receber, em troca, doces ou dinheiro. O costume tem origem em uma lenda local que diz que cresce durante a Páscoa a atividade de bruxas e bruxos.


Suíça

Na Suíça, não poderia faltar chocolate nas comemorações de Páscoa. “Os coelhos de chocolate são escondidos dentro de casa e as crianças devem procurá-los, acreditando que quem os levou foi a coelhinha da Páscoa”, conta o suíço Rolf Müller. Além da brincadeira, bem parecida com as que são feitas por aqui, há outras semelhanças entre as celebrações suíça e brasileira, como a tradição de não comer carne na Sexta-Feira Santa. Mas há também diferenças. A segunda-feira após o Domingo de Páscoa, por exemplo, também é feriado por lá. Além disso, eles seguem a tradição tipicamente européia das pinturas em ovos de galinhas.


Uruguai

No Uruguai, as comemorações da Semana Santa começam no Domingo de Ramos, uma semana antes da Páscoa. “Recordamos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém com a Missa de Ramos e a bênção dos ramos de oliva, que representam a coroa colocada na cabeça de Jesus em sua marcha até a crucificação”, explica a uruguaia Laura Busto. Ela conta que na Quinta-Feira Santa, dia da última ceia, os uruguaios comemoram refazendo a Via Crucis. “É costume realizar uma procissão de uma igreja a outra para rezar e meditar”, comenta. Na Sexta-Feira Santa, dia de luto pela morte de Jesus, não há festejos e, como no Brasil, não se come carne. Já o Domingo é dia de festa como ovos de chocolate de todos os tamanhos.

Mais Buscadas
Para visualizar as palavras chave é necessário que seu browser tenha suporte javascript e flash
  • RSS
  • Envie para um amigo
  • Compartilhe
  • Imprima
Resolução Mínima de 1024x768 - Necessário Suporte a Java para melhor visualização
Compatível com IE 7.0 e Mozilla Firefox 2.0


Notícias
Nas escolas
Entrevistas
De olho no Futuro

Agenda
Fique de Olho

Teste
Blogs e Sites






Conheça também
Conexão Professo